Select Menu

Gif Flulink



Slider

Travel

Performance

Cute

My Place

Mercado Tricolor

Racing

» » » » » Quanto vale a base?
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga


O que você acha de xerém? Acha que investir na base é tão importante quanto no profissional, ou acha que é investimento jogado fora já que muitos jogadores que se destacam rumam logo outros caminhos? Depois de responder essas perguntas, indague-se novamente, o que seria do Fluminense em 2010, se não fosse a molecada de xerém salvá-lo dos quase iminente rebaixamento de 2009? O que seria do time de 2015 sem Scarpa e Marcos Junio? Há tantas outras questões mais que eu poderia levantar...

O elenco desse ano ainda é fraco, mas até que os reforços não foram mal pensados nesse meio de temporada, a pena é que esse time só engrena mesmo ano que vem, até pela chegada de um meia de mais qualidade que é o Sornoza, coisa que falta ainda pra esse time. Entretanto não é do time profissional que eu quero falar em si, e sim dos destaques desse time, que são justamente garotos criados aqui.

Me arrisco a dizer que a melhor contratação da última janela foi um garoto que antes mesmo de completar 18 anos, já havia sido negociado com o Arsenal-ING, sem visto de trabalho, rodou por diversos times da Europa, mas acabou não tendo muita chance de vestir a camisa do gigante inglês. Wellington Silva como era chamado no inicio da carreira, voltou e sua contratação foi apontada por alguns como "eterna promessa que só joga na base, não vai servir". Mas Wellington vem mostrando que não é uma aposta, pra quem acompanhou alguns jogos deles em times menores da Espanha, via que até mesmo contra os gigantes Barcelona e Real Madrid, ele não respeitava zagueiro nenhum. Seus dribles que quebram a marcação vinha sendo uma característica cada vez mais rara no Brasil e principalmente no Flu, o último jogador que fazia isso com louvor, foi um companheiro de xerém e xará do atacante, Wellington Nem, que aliás, faziam um belo conjunto tanto no Flu, quanto nas seleções de base.

Estruturar a base tem sido a maior vantagem não só do Flu, como de outros clubes do Brasil, aliás, o que seria do Santos nos últimos anos sem Neymar e Ganso? Do São Paulo sem Lucas? E por ai vem "Gabrieis" Jesus, Gabigols, Luans(Grêmio), entre outros nomes que me escaparam no momento.

Talvez os clubes tenham voltado a ter paciência para tratar de seus jogadores formados em casa, tá na hora das torcidas acompanharem esse processo e ter o mesmo respeito que tem por outros jogadores que vem pra ganhar milhões de reais, juram amor ao clube, mas assim que pinta uma oportunidade, saem fora! Se a torcida tivesse mais paciência com Léo Pelé, talvez não tivessem que aturar 'Giovanis',


Autor: Igor Santos

«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Deixe um comentário